Terça-feira, 17 de Janeiro de 2012

A poucos quilómetros de Lisboa vê-se uma névoa. Quase parece nevoeiro, mas é o negro da cidade que se levanta com os primeiros carros. Ninguém no autocarro deu pela mesma névoa que eu, mas as tosses são constantes: 

 - É o frio!

ou:

 - Estas viroses de Verão!

 O cinzento, branco e as cores mortas intensificam-se à medida que vamos entrando na cidade. Os carros acelerados, as pessoas apressadas e custa-me a crer que me tornei numa delas, demasiado presa à minha rotina...

 Nunca fui uma pessoa de rotinas certas, sempre tive prazer em ir ao meu ritmo e conforme o estado de espírito. O espírito está cansado, a alma sente-se vazia e eu... Bem eu sinto-me estagnada.

 Estagnada numa vida que nunca quis ter, numa rotina que não reflecte o que sou. Tornei-me numa lisboeta, máquina automatizada para andar sempre à pressa, sair de casa ainda de noite e chegar a casa já de noite.

 Tenho tido necessidade de rezar, mas o medo de que se torne mais uma das minhas rotinas que acabo por fazer mais por obrigação impede-me de ter vontade.

 Os dias andam como eu, começam com a esperança de um belo sol... mas chegam à hora de almoço incobertos pela incerteza e cansaço.

 Olho à minha volta, e descubro que, há muita gente como eu, cansada da rotina  e stressada pelo pouco tempo para tudo. A diferença entre mim e essas pessoas é que elas conformaram-se com essa rotina e muitas vezes já não conseguem sair dela, tornaram-se dependentes dessa rotina.

 Eu...  

publicado por 994marie1904 às 11:34

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 




mais sobre mim
pesquisar
 
Janeiro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


subscrever feeds