Quinta-feira, 10 de Fevereiro de 2011

"Minh'alma é a Princesa Desalento,

Como um Poeta lhe chamou, um dia.

É magoada, e pálida, e sombria,

Como soluços trágicos do vento!

 

É frágil como o sonho dum momento;

Soturna como preces de agonia,

Vive do riso duma boca fria:

Minh'alma é a Princesa Desalento...

 

Altas horas da noite ela vagueia...

E ao luar suavíssimo, que anseia,

Põe-se a falar de tanta coisa morta!

 

O luar ouve a minh'alma, ajoelhado,

E vai traçar, fantástico e gelado,

A sombra de uma cruz à tua porta..."

 

 

Sonetos; Florbela Espanca

publicado por 994marie1904 às 02:16

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 




mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28


subscrever feeds